Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

Advogada congolesa retira e retifica as acusações de atos de estupro contra soldados uruguaios no Congo

A advogada da Fundação Panzi, Thérèse Kulungu, pediu desculpas frente ao Ministério das Relações Exteriores do Uruguai, pelo alcance e interpretação de suas declarações imprecisas num congresso internacional da organização esquerdista "Mulheres de Negro”, realizada em Montevidéu, no qual se referiu alegadas violações de mulheres congolesas nas mãos do Uruguai, opretextando" exigir a saída das tropas uruguaias do Congo ou o fim de sua  “imunidade " ,reação refletida em alguns meios de comunicação uruguaios , gerando grande malestar nas Forças Armadas . A Advogada disse que só existiu  um único caso de violação de um "soldado uruguaio expulso do Congo , que os meios de comunicação divulgaram amplamente “. As restantes alegações , seriam algumas relações consentidas entre soldados e adolescentes, gerando filhos”.


"Para este fim , destacamos também que qualquer pessoa que tenha relações sexuais com alguém menor de 18 anos é culpado do crime de estupro, toda a lei congolesa reprime o abuso sexual ,e uma pessoa menor de 18 anos ,  é menor de idade e não tem a capacidade de consentimento”
. "Nós não estamos dizendo que soldados uruguaios estupraram mulheres, porque isso nunca aconteceu", disse ela.
Esclarecimentos feitos, a advogada pediu desculpas e concluiu sua carta ao Ministério das Relações Exteriores do Uruguai: "Em face do exposto, deixe-nos dizer-lhe que não concordamos com os artigos na imprensa sobre as forças de paz no Congo particularmente em relação os uruguaios. Nunca disse que fosse contra a presença de tropas de paz da ONU no Congo e muito menos dos uruguaios. Nunca disse que forças de paz uruguaias continuem estuprando mulheres no Congo. A entrevista refletiu só o nosso parecer e não da Fundação, sendo totalmente legítimo corrigir os artigos”.

Uruguai, que tem acordos com organizações humanitárias espanholas para combater o estupro no Congo, tem sido um campeão na reabilitação de jovens estupradas por tropas rebeldes e até mesmo a FAU realizou complicados resgates humanitários de mulheres em risco de ser abusadas ou executadas (Javier Bonilla).


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.