Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

Nexter Systems modernizará carros de combate do Exército Francês

(defensa.com) A DGA (Direction Générale de l’Armement), a Agência de Compras de Defesa do Ministério da Defesa Francês contratou ao fabricante Francês Nexter Systems a modernização de 200 carros de combate Leclerc hoje ao serviço do Exército Francês, no âmbito do programa de modernização SCORPION (Synergie du COntact Renforcé par la Polyvalence et l’InfovalorisatiON). O Exército Francês recebeu no passado 254 carros de combate Leclerc fabricados pela GIAT Industries, hoje Nexter.

O contrato anunciado no dia 12 de Março mas celebrado no dia 5 de Março por um valor de perto de 330 milhões de euros compreende ainda a modernização de 18 viaturas de recuperação pesada DCL (Dépanneur de Char Leclerc), estas que empregam o chassis do carro de combate Leclerc. No âmbito do contrato que está em linha com a Lei de Programação Militar 2014-2019, as viaturas receberão o sistema de informações SICS (Système d’Information et de Commandement SCORPION), o radio tático digital que a Thales desenvolve no âmbito do programa CONTACT (COmmunications Numériques TACtiques et de ThéâtrE) e um sistema de proteção com capacidade para proteger o carro de combate contra engenhos explosivos improvisados.

As primeiras entregas de viaturas modernizadas deverão acontecer em 2020. O programa permitirá prolongar a vida útil das viaturas para além de 2040, habilitando as mesmas para serem empregues em futuros cenários operacionais.Os sistemas SICS e CONTACT foram já escolhidos para equipar também as viaturas blindadas de rodas 6x6 Griffon e Jaguar que um consórcio formado pela Nexter Systems, Renault Trucks Defense e Thales Communications & Security desenvolve para futuramente substituir progressivamente as viaturas VAB, AMX-10RCR e ERC-90D Sagaie do Exército Francês. (Victor M.S. Barreira)

Fotografia: Carro de combate Leclerc do Exército Francês (Victor M.S. Barreira).


© Copy Right Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.