Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

Japão oferece à Austrália a construção conjunta de submarinos

O governo japonês ofereceu a Austrália, a construção conjunta de submarinos de propulsão convencional que a Marinha australiana pretende adquirir nos próximos anos. A mídia japonesa afirma, inclusive, que o Japão convidou a Austrália participar na produção de aços especiais utilizados nos cascos dos submarinos. Nem o governo australiano nem os japoneses têm valorizado oficialmente os dados aparecidos no jornal Mainichi Shimbun, que chegou a anunciar que o governo australiano tinha acolhido a proposta e que o acordo entre os dois países poderia ser anunciado ainda este ano. No entanto, o governo australiano tem confirmado já estar em negociações com diferentes países para cooperar neste novo programa.

Isto representaria, sem dúvida, uma chance de melhorar as possibilidades dos submarinos japoneses baseados na Classe Soryu, que teriam sido ofertada a Austrália, dado que este país considerava fabricar localmente os submersíveis nos estaleiros ASC.

Trata-se de um programa de grande importância, uma vez que envolve a aquisição de doze submarinos para aumentar a capacidade de vigilância das grandes áreas marítimas da Austrália e substituir os veteranos submarinos da classe Collins, que entraram em serviço no início dos noventa e começam a ter a sua disponibilidade limitada, sendo urgente tomar uma decisão.

O governo australiano está em uma situação difícil, pois anunciou repetidamente a sua intenção de apoiar a indústria nacional de construção naval através da construção de submersíveis, no entanto, tem havido problemas em alguns programas em que o estaleiro ASC participa, como destroyer antiaéreo, o que levou sobre preços e atrasos. Os jornais locais inclusive chegaram a valorizar o custo dessa decisão, quantificando os custos da submarinos em 25.000 milhões de dólares australianos se encomendados do Japão e nada menos do que o dobro, se forem construídos na Austrália. (JNG)


© Copy Right Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.