Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

França e Rússia já negociam o cancelamento do programa Mistral

França e Rússia já podem estar negociando o cancelamento do programa de navios porta helicópteros da Classe Mistral, segundo publica a mídia russa. Dois fatores condicionam a resolução deste conflito ; por um lado deve ser alcançado um acordo em termos econômicos e por outro, a França quer tentar exportar os navios a terceiros países, possibilidade à qual a Rússia é contrária, a princípio.

O jornal Kommersant cita fontes do governo russo as quais afirmam que a França teria feito a Moscou uma proposta para devolver a Rússia 756 milhões de euros e em troca receber aprovação para exportar para terceiros países os dois navios . Esta proposta teria sido rejeitada pelo Kremlin pedindo um pagamento de pelo menos 100 milhões de euros adicionais. Em qualquer caso, o governo russo estimou que o cancelamento do fornecimento do “Vladivostok "e do” Sevastopol "implicará um custo de 1.154 milhões de euros. Moscou também vai opor-se à re-exportação de dois navios se não chegasse a um acordo sobre a questão das compensações financeiras.

Dada a possível suspensão do contrato, a Rússia já alertou por meio do seu vice-ministro da Defesa que o governo francês vai enfrentar pagar as perdas que possam advir pelo cancelamento deste acordo com Moscou, além de o que poderia significar em termos de "reputação" e "credibilidade" para a França como parceiro internacional. DCNS enfrenta uma pena que a princípio resultaria em compensação por rescisão de contrato de 1.050 milhões de euros . Mas a este valor deve ser adicionado cerca de 1.800 milhões de euros em caso de que ocorra uma eventual sentença judicial avaliando tudo o impacto sobre o cliente e os parceiros industriais russos, contornando uma pena total de cerca de 3.000 milhões de euros. Este montante seria justificado pelos custos em que já incorreram nos estaleiros russos para completar essa parte do projeto que lhes foi confiada, bem como os custos ocasionados pelo transporte dos blocos que foram construídos na Rússia e enviados para a França para a montagem. (JNG)


© Copy Right Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.