Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

Exército Brasileiro toma posse dos últimos itens do sistema RBS 70

(defensa.com) Os últimos itens associados aos sistemas portáteis de defesa-anti-aérea RBS 70 contratados no início de 2014 pelo Comando Logístico (COLOG) por intermédio da Comissão do Exército Brasileiro em Washington (CEBW) à SAAB Dynamics chegarão ao Brasil no início de Março de 2015.
Um grupo de militares do Exército Brasileiro encontra-se na Suécia para proceder aos testes de aceitação de fábrica dos elementos que incorporam o último lote. Foi recebido um primeiro em Março de 2014 e um segundo em Novembro de 2014. A entrega dos sistemas estava inicialmente prevista para ser efetuada em dois lotes.

Este terceiro lote é composto por equipamentos de visão noturna, simuladores e equipamentos de manutenção do sistema, dentre os quais se destaca uma bancada de teste que mobiliará o recém-criado Batalhão de Manutenção e Suprimento de Artilharia Antiaérea, localizado em Osasco no Estado de São Paulo. O Exército Brasileiro contratou 16 unidades de lançamento, vários mísseis MK II, serviços de treino, simuladores, dispositivos de visão noturna, baterias, documentação técnica, sobressalentes, itens logísticos para manutenção do sistema e equipamentos do sistema.

O RBS 70 arma os grupos de artilharia antiaérea orgânicos da 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea (1ª Bda AAAe), e a Escola de Artilharia de Costa e Antiaérea (EsACosAAe). Outras aquisições estão previstas no escopo e no cronograma do Projeto Estratégico do Exército Defesa Antiaérea (PEE DAAe). O PEE DAAe possui mais de 5000 requisitos para a integração desde o menor escalão de defesa antiaérea até o nível brigada.

O sistema de armas RBS 70 está integrado à unidade de controlo de operações antiaéreas COAAe (Centro de Operação de Artilharia Antiaérea) e ao sistema de radar móvel de baixa altura tridimensional SABER M60 que oferece um alcance máximo de 60km e 75km com o emprego de um sistema de identificação amigo ou inimigo. Ambos foram desenvolvidos pela BRADAR Indústria (da Embraer Defesa e Segurança) e pelo Centro Tecnológico do Exército (CTEx).

O sistema COAAe compreende uma cabine S-788BR da RF Com Sistemas montado numa viatura de alta-mobilidade 4x4 Agrale Marruá. O COAAe recorre ainda a um mastro telescópico da The Will-Burt Company; antenas, computador pessoal endurecido e outros equipamentos informáticos; dispositivo altifalante; rádios Harris RF Communications Falcon III; painel externo de energia e conexões de dados; sistema de climatização; consolas comerciais para dois operadores; e gerador alimentado por energia elétrica interna ou externa. A transmissão de dados é realizada através do protocolo ASTERIX.

Hoje a defesa antiaérea no exército é garantida por sistemas de mísseis Igla-S, peças rebocadas de 40mm L/70 e de 35mm GDF-001 e sistemas autopropulsados Gepard 1A2. Os últimos 13 de 34 viaturas Gepard 1A2 adquiridas da Alemã BAAINBw (Bundesamt für Ausrüstung, Informationstechnik und Nutzung der Bundeswehr) em Maio de 2013 e equipamentos associados chegarão ao Brasil até Julho de 2015 em dois lotes. Os Gepard 1A2 são distribuídos pela EsACosAAe com duas viaturas, 6ª Bateria de Artilharia Antiaérea Autopropulsada (6ª Bia AAAe AP) com 16 e 11ª Bateria de Artilharia Antiaérea Autopropulsada (11ª Bia AAAe AP) também com 16.

O futuro deverá trazer a celebração de um contrato entre o COLOG e a Krauss-Maffei Wegmann (KMW) de apoio logístico integrado para que o sistema Gepard 1A2 permaneça operativo durante o ciclo de vida previsto. (Victor M.S. Barreira)

Fotografia: Sistema de defesa antiaérea RBS 70 integrado ao radar SABER M60 e unidade de controlo COAAe (Exército Brasileiro).


© Copy Right Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.