Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

Rússia vai fornecer os sistemas antimísseis Antey -2500 a Irã, em vez do S-300, vetado pela ONU em 2010

Moscou estaría avaliando a possibilidade de oferecer ao governo iraniano sistemas antimísseis “Antey-2500” como medida compensatória ante o reclama feito por Teerã perante a Corte Internacional de Arbitragem, na qual exige uma cifra multimilionaria por ter incumprido o acordo de fornecimento dos S-300 assinado em 2007. A noticia foi divulgada pelo jornal russo Kommersant, o qual publicava, citando fontes anónimas que, para compensar às Forças Armadas Iranianas, evitando uma dolorosa multa, a hipotética entrega do Antey-2500 “é possível”.  Em verdade, poderia se tratar da versão modificada dos sistemas antiaéreos “S-300B”.  Segundo uma fonte do país, a Rússia estaria estudando a possibilidade de fornecer ao Exército Iraniano, outros complexos de armas fora das sanções da ONU.

O possível acordo comercial surgiu, depois de cancelar o fornecimento de até 5 unidades dos “S300B”, contrato assinado em 2007 por 800 milhões de dólares (613 milhões de euros), cancelado por causa da resolução No. 1929 do Conselho de Segurança da ONU, uma das medidas para conter o ascensão nuclear iraniano, e cuja consequência mais direta significava proibir os intercâmbios de armamentos, entre os  quais, tanques blindados, aeronaves, belonaves e mísseis.
Para cumprir com os condicionamentos estabelecidos internacionalmente Em setembro de 2013, o então presidente e hoje primeiro ministro Dmítri Medvedev assinou um decreto para implementar a resolução que ele mesmo apoiara como integrante permanente do Conselho de Segurança da ONU,  introduzindo sanções ainda mais duras contra o Irã. Medvedev cancelou pessoalmente o contrato de fornecimento dos S-300 ao Irã. Hojé, três anos depois, o seu sucessor no cargo e companheiro de partido, voltou a abrir o debate sobre o que pode ser vendido aos iranianos.
Como resposta ao rompimento do acordo pelos “S-300B”, o Ministério da Defesa iraniano apresentou uma queixa contra a Rosoboronexport ao Tribunal Internacional de Arbitragem de Genebra, reclamando até 4.000 milhões de dólares, denunciando à Rosoboronexport, como estatal intermediária encarregada o armamento encomendado, e hoje estima-se um deferimento favorável a este reclamo.
A questão do fornecimento de novos equipamentos militares foi o principal assunto tratado na reunião entre o presidente Vladímir Pútin e seu par iraniano Mahmoud Ahmadinejad, em visita oficial a Moscou a partir de 1° de julho.
O líder iraniano foi à Rússia para participar da cúpula do FPEG (Fórum dos Países Exportadores de Gás) numa das suas últimas saídas oficiais como presidente ao exterior.
Pela sua parte o diretor do Centro  de Políticas Públicas da Rússia, Vladimir Yevséiev, disse recentemente ao jornal Kommersant que "o Antey-2500 não é tanto um sistema de defesa, mas um sistema de defesa de mísseis, e se Israel declara a guerra contra o Irã, o primeiro golpe seria com esse tipo de projéteis. O sistema Antey-2500 permitiria ao iranianos fortalecer as suas defesas ".
Após desentendimentos recentes entre Moscou e Washington, com formas e declarações bastante reminiscentes da Guerra Fria, o fato de  fornecer ao  Irã  tal armamento deverá abrir uma nova frente de tensão entre as duas potências (Javier Martinez)


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.