Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

Lançado exitosamente ao espaço o satélite argentino ARSAT

(defensa.com) Argentina é o primeiro país latino-americano com o seu próprio satélite. Foi lançado a ARSAT-1 na quinta-feira 16 de outubro às 18,44 horas desde a base na cidade de Kourou, na Guiana francesa. O satélite, construído na Argentina, com a tecnologia de Argentina, um investimento de 270 milhões de dólares e 1,3 milhões de horas / homem, entrou com sucesso em órbita, com a satisfação de cientistas argentinos do ARSAT e do INVAP participantes do projeto.

Argentina torna-se assim o oitavo país do mundo com o domínio da tecnologia de satélite. Primeiro, foi realizada com sucesso a separação do propulsor, o foguete Ariane e meia hora mais tarde, também concluiu com sucesso o lançamento de outro satélite, que compartilhou o vôo do Arsat 1, o Intelsat. A empresa Arianespace foi o responsável pelo lançamento.

O satélite será controlado a partir da planta Benavidez e também na Argentina criou-se um centro de testes. O ARSAT-1 é o primeiro satélite geoestacionário argentino que transmitirá em Banda Ku com alcance satelital para todo o território argentino, vai transportar sinais de vídeo, prestar serviços de TDH (Direct to Home Television) e acesso à Internet, usando para a sua recepção antenas VSAT e serviços de dados e telefonia sobre IP. O ARSAT-1 mede 3.925 metros de altura e 16.416 metros de comprimento (com painéis solares estendidos), tem uma profundidade de 5.037 metros, pesa 3 toneladas, tem uma expectativa de vida 15 anos em órbita e está preparado para uma disponibilidade de serviço de 99,9%.

Dependendo do seu desenho de assinatura, o ARSAT-1 irá orbitar a 36.000 km de distância da Terra, na posição geoestacionária 71°8 0este- vai concentrar a sua potência máxima sobre o território da Argentina (incluindo bases da Antártida e as Ilhas Malvinas), permitindo a oferecer conectividade para todas as partes do país. O design, produção e testes no país, afirma a capacidade da Argentina para realizar missões tecnológicas de alta complexidade. (Luis Piñeiro, correspondente na Argentina)


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.