Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

O governo espanhol vai tomar medidas para evitar que os presos da ETA possam cobrar subsídios depois de serem excarcerados

O ministro do Interior, Jorge Fernandez Diaz, compareceu na Câmara dos Deputados para responder a uma pergunta apresentada pela deputada da  UPyD , Rosa Díez, sobre os objetivos do Governo em relação à percepção de seguro de desemprego do dos terroristas libertados da prisão que não tenham demonstrado remorso ou tentativas de colaboração com a Justiça . Fernández Díaz anunciou que "o Governo tomará as medidas necessárias para evitar que aqueles que já dinamitaram a nossa democracia com a socialização do terror, possam se beneficiar precisamente do estado de bem-estar que todos nós construímos".

O ministro do Interior afirmou que para atingir esse objetivo, é necessário para alcançar "o mais amplo consenso possível" e mudou a disposição do Governo para receber todas as contribuições destes grupos orientadas a uma meta comum: a derrota total de terrorismo.

Fernandez Diaz insistiu que "vamos fazer tudo o legalmente possível para que nenhum ex-detento cobre indevidamente nenhum tipo de ajuda". Nesta linha, anunciou que, em colaboração com o Ministério do Emprego e Segurança Social, "vamos reconsiderar os requisitos objetivos e subjetivos que a Lei da Previdência Social exige, para receber este benefício, em particular no caso dos excarcerados".

Também observou que o Governo vai ser vigilante no cumprimento da obrigação, derivada da correspondente responsabilidade civil, por parte dos terroristas a respeito da indemnização a que tenham sido condenados. Neste sentido, o ministro ressaltou que irá considerar a possibilidade legal para definir exatamente como um requisito para receber a concessão, a prévia satisfação de responsabilidade civil por crimes graves, como o terrorismo.

O ministro do Interior voltou a lembrar, mais uma vez, o alarme social causado: “recentemente foram liberados dois assassinos que não deram qualquer indicação de arrependimento".  Díaz Fernández reconheceu como "desanimador, enquanto moralmente e eticamente condenável, que o cumprimento de longas condenas não tenha chegado a causar neles um exame e arrependimento necessário pelos danos causados”.


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.