Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

França perto de contratar mais um submarino de ataque

Nos próximos meses e possivelmente antes do verão do corrente ano, a Francesa DGA (Direction Générale de l´Armement) deverá contratar ao estaleiro local DCNS a construção do quarto submarino de ataque com propulsão nuclear do tipo Barracuda para a Marinha Francesa. O programa original implementado em Dezembro de 2006 prevê um total de seis unidades que constituição na Marinha Francesa da Classe Suffren que permitirá a substituição progressiva das unidades da Classe Rubis, hoje uma importante componente da Força Oceânica Estratégica, a FOST (Force Océanique Stratégique).

Três submarinos foram já encomendados, os "Suffren", "Duguay-Trouin" e "Tourville" , com previsão de entrega em 2017, 2020 e 2022 respectivamente. Desconhece-se ainda o nome da quarta unidade, mas esta deverá novamente adoptar o nome de personagem da história Francesa. A construção dos submarinos envolve ainda outra grande empresa Francesa, a Areva TA que fornece a propulsão nuclear, para além dos parceiros habituais nacionais Thales e Sagem.

Em Outubro de 2013, a DGA e a DCNS celebraram um novo acordo para adequar o calendário de entregas à nova Lei de Programação Militar que terá como vigência o período de 2014 a 2019.

O submarino apresenta um deslocamento submergido de 5100 toneladas e 4650 toneladas quando à superfície, um cumprimento de 99.5 metros, um diâmetro 8.8 metros e uma velocidade máxima de 25 nós. A sua guarnição é composta por 60 elementos. Este será armado com o míssil de cruzeiro de longo alcance MdCN, o míssil anti-navio Exocet SM39 Block 2 Mod 2, o torpedo pesado F21 e o sistema anti-torpedo Contralto-S, e incorpora o sistema de gestão de combate SYCOBS. (Victor M.S. Barreira)

Fotografia: Submarino de ataque "Suffren" em construção nas instalações que a DCNS possui em Cherbourg (DCNS).


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.