Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

França investirá massivamente em ações de desenvolvimento

(defensa.com) Entre 2014 e 2019, período em que vigorará a atual Lei de Programação Militar do Ministério da Defesa Francês, este prevê investir massivamente em atividades associadas à investigação e desenvolvimento.

Ao longo dos próximos 6 anos, a autoridades militares Francesas esperam financiar por via do orçamento atribuído anualmente à defesa e principalmente através da Direction Générale de l´Armement (DGA) um valor de 1.2 biliões de Euros na dissuasão nuclear com o futuro sucessor dos actuais submarinos de propulsão nuclear lançadores de engenhos nucleares e a renovação da componente aérea nuclear, 875 milhões de euros no combate aéreo incluindo os veículos aéreos não tripulados de combate como a parceria estabelecida com o Reino Unido na continuidade do demonstrador nEUROn desenvolvido em parceria com a Espanha, Grécia, Itália, Suécia e Suíça, os futuro caças com estudos nos campos da furtividade e da guerra electrónica, e por fim 333 milhões de euros no desenvolvimento de mísseis e bombas, incluindo a modernização dos mísseis ar-terra de longo-alcance MBDA SCALP-EG (Système de Croisière Autonome à Longue Portée - Emploi Général) e o aprofundamento de estudos nas áreas da propulsão, sistemas de navegação e componentes eletrónicos.

A ciberdefesa beneficiará de um investimento de 1 bilhão de euros já que esta é considerada uma prioridade. O apoio à inovação será reforçado através de diversos instrumentos de trabalho e nesse âmbito serão destinados à esta atividade cerca de 510 milhões de euros.

Outros programas como o desenvolvimento de novas fragatas, a proteção de veículos blindados, as armas anti-submarinas, os sistemas não tripulados e o reconhecimento espacial beneficiarão do financiamento das autoridades Francesas. (Victor M.S. Barreira)

Fotografia: O míssil de cruzeiro SCALP-EG será no futuro modernizado pela indústria Francesa (DGA).


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.