Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

O Brasil irá modernizar o NAe São Paulo (A 12), mas terá que esperar 15 anos para um novo porta-aviões

Quem confirmou esta notícia foi o próprio Ministro da Defesa, Celso Amorim, e acrescentou que “a idéia é que o Brasil possa a vir construir um porta-aviões, provavelmente baseado em um projeto já existente, em ate 15 anos com uma parceria de algum construtor estrangeiro.” Amorim também declarou que, por sua vez, a embarcação será submetida a novas atualizações.

O NAe São Paulo, que é navio capitânia da Marinha do Brasil, possui 265 metros de comprimento, com um deslocamento de 33 mil toneladas, foi comprado junto à França em 2000, tendo entrado em serviço no inicio da década de 60 na marinha francesa. Vários incidentes nos últimos cinco anos, incluindo, incêndios e princípios de incêndios a bordo, fazem  descrevem uma carreira não muito bem sucedida na Marinha do BrDepois do reduzido preço de compra, que girou em cerca de US$ 12 milhões, houve uma revitalização de todos os sistemas do navio para a incorporação à Marinha do Brasil, tudo para que funcionasse com a velocidade, e capacidade de transporte total, operacional.

Em julho de 2010, o NAe São Paulo voltou à ativa na Esquadra, revitalizado e com algumas melhorias, na qual foram investidos algumas dezenas de milhões de dólares. Quilômetros de tubulações de água, de vapor e de combustível foram substituídos, houve uma grande revitalização de um pavimento inteiro, onde foram realizados trabalhos estruturais nas camadas internas e externas, assim como nas catapultas e nos sensores do navio.

A propulsão passou por uma grande revisão, mediante um trabalho minucioso, que foi realizado para solucionar a vibração de um eixo,  o qual tinha causado a última parada do navio para reparos no AMRJ. O sistema de ar condicionado também foi modificado e ampliado, e três lançadores Simbad para defesa aérea estão atualmente em serviço.
(Javier Bonilla)


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.