Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

Batizado na Escócia o novo Porta-aviões britânico, o HMS “Queen Elizabeth”

O futuro Porta-aviões britânico HMS Queen Elizabeth II da Royal Navy foi batizado pela Rainha Isabel II, com o seu nome, no estaleiro da BAE Systems em Rosyth, muito próximo a cidade de Edimburgo, utilizando uma garrafa de uísque escocês, substituindo à garrafa de champanhe tradicional. O ato, marca um antes e um depois para a moderna Marinha Britânica , e foi da máxima relevância, pois, além da soberana, participou o seu marido , o príncipe Felipe de Edimburgo , junto aos primeiros ministros britânico, David Cameron, e escocês, Alex Salmond, este acompanhado por seu pai, de 92 anos, um veterano de guerra que lutou em filas da Royal Navy durante a  II Guerra Mundial.

Após a colorida cerimônia, a qual contou com uma passagem da patrulha acrobática da RAF  Red Arrows e diversos helicópteros da Armada, foi inundada a doca onde o navio foi construido. Na seqüência, e já flutuando, antes do final de julho, será amarrado no cais do estaleiro, no Estuário de Firth of Forth, onde se dará o acabamento, na expectativa de entregá-lo em 2016, quando se prevê que possa realizar os seus primeiros testes no mar.

Nessa mesma doca, começará a ser construído o segundo da classe, o Prince of Wales, futuro integrante da Royal Navy.

Estima-se que em finais, o Queen Elizabeth II chegue ao seu futuro porto, a HM Naval Base Portsmouth, onde, se prevê ,seja oficialmente . à Royal Navy em 2017. Construido o Queen Elizabeth II, de 65.000 ton. 280 m. de eslora, participaram mais de 8.000 pessoas de umas 100 diferentes firmas , incluindo 5 estaleiros, que fabricaram os  diversos blocos do navio, além do mencionado Rosyth, aonde foi montado num prazo de 33 messes, embora a primeira chapa de aço foi cortada já ha cinco anos.Este navio terá uma capacidade de transporte de até 40 aeronaves de combate, os modernos Lockheed Martin F-35 Lighting II, além de helicópteros. Os seus 679 tripulantes, podem chegar a perto de 1600 , incluindo aqueles pertencentes ao Agrupamento Aéreo Embarcado e ao Estado Maior , quando esteja plenamente operacional .

O custo de ambos navios está orçado  em 7.440 milhões de euros, o que em troca devem novamente transformar à Royal Navy numa Marinha novamente dotada de estes meios ,após as baixas antecipadas de material, como o HMS Ark Royal  assim como as aeronaves de decolagem vertical BAE Systems Harrier (Julio Maíz Sanz).

Foto : O porta-aviões “HMS Queen Elizabeth II” no dique n º 1 ,estaleiros Rosyth, localizados no Firth of Clyde, na Escócia (foto BAE Systems)


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.