Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

Após 47 anos, o Japão anula o veto para a exportação de armas a fim de reforçar a sua indústria de defesa

O governo japonês emitiu novos regulamentos pondo fim à sua política de restrições às  vendas de armas para o estrangeiro, vigentes no país desde 1967 e abre um passo para o fortalecimento da indústria e complexo  de defesa japonês.

O novo regime foi aprovado pelo executivo liderado por Shinzo Abe após o ano passado repetidamente ter advertido de seu interesse por abolir estas restrições, que foram adotadas com base no sentido pacifista do país após o fim da Segunda Guerra Mundial.

Ao abrigo da nova legislação, o Japão poderá exportar armas para qualquer país, a menos que o mesmo esteja imerso em algum tipo de conflito ou estiver sujeito a sanções por parte do Conselho de Segurança das Nações Unidas, tais como o Irã ou a Coréia do Norte. Além disso, Tóquio também especificou que haverá um rigoroso controlo e transparência nas vendas.

De acordo com fontes citadas pela Reuters, o Japão pode estar interessado em impulsionar vendas de barcos de patrulha ou detectores de minas, evitando estimular a transação de tanques ou aviões de guerra. Esta nova política vai favorecer o impulso poderoso de empresas como a Mitsubishi Heavy Industries e Kawasaki Heavy Industries, que foram afetados pela queda nos gastos militares que Tóquio impulso nos últimos anos e agora têm como objetivo principal, o mercado emergente asiático.

Além disso, o Japão também descobriu um novo leque de possibilidades para a realização de novos projetos de cooperação, desenvolvimento e produção de armas com outros países. Assim, um dos primeiros grandes contratos que poderiam fechar seria a venda de EUA 15-2i avião anfíbio para a Índia, o que pode ser avaliado em 1.650 milhões de dólares. A fabricação de aeronaves, que têm um custo unitário de cerca de US $ 110 milhões, será feito pela empresa ShinMaywa Industries.

A nova medida, já despertou os receios da China, pais que tem criticado freqüentemente o levantamento dessas restrições por representar um perigo para a segurança e aumentar a tensão no leste da Ásia. Esta região ficou confirmada como um dos maiores focos de preocupação em todo o mundo, especialmente pelos dois países permanecem em controversa pelas Ilhas Senkaku, atualmente de propriedade de Japão, mas que Pequim reclama, por razões históricas. (J.Martínez)


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.