Actualidad
Spanish Chinese (Traditional) English French German Italian Portuguese Russian

Aeronaves de combate, blindados, satélites e radares... As Forças Armadas Paraguaias em busca urgente de material de defesa para combater ao EPP

Segundo as autoridades militares paraguaias, o principal problema enfrentado atualmente pelas Forças Armadas continúa sendo a falta de tecnologia para enfrentar ao chamado “Ejército del Pueblo Paraguayo”. Esta necessidade urgente altera todos os roteiros previstos para adquirir de forma programada este tipo de material nas diferentes Forças, pois os planos de compra, os quais se extendiam até 2025, ficam reduzidos a vários meses.  A procura sería por fornecedores com amplo apoio dos seus governos, para assim adquirir equipamentos em pacotes, com todos aquelos ítems que forem precissos para o seu uso imediato.
Entre as necessidades do momento, podem ser mencionadas aeronaves de combate, lanchas, blindados, radares, e uma grande lista, a qual podería se tornar numa oportunidade para muitos grupos do setor Defesa, hoje sentindo o rigor da crise econômica europeia, se contrapondo ao atual auge da economia paraguaia.
Uma das principais carencias das FFAA seria a falta de satélites para captar imagens em tempo real, um investimento próximo aos 200 milhões de dólares, de acordo com os próprios militares, que analisam também a opção de alugá-lo para outro país, de ser obtida a aprovação apropriada

Também as autoridades estão buscando  equipamentos de guerra eletrônica para controlar e desenvolver medidas e contramedidas. Outra necessidade sentida, que deve ser imediatamente corrigida é a falta de UAV para as diferentes forças. Atualmente está sendo analisado o mercado para onde decidir a compra. Veículos de reconhecimento tático, veículos blindados, são outros dos elementos importantes que precisam neste momento, as Forças Armadas do Paraguai. (Tomas Velazquez, correspondente no Paraguai).


Copyright © Grupo Edefa S.A. Prohibida la reproducción total o parcial de este artículo sin permiso y autorización previa por parte de la empresa editora.